Memória da dança: importância, registro, preservação e legado

Memória da dança: importância, registro, preservação e legado

Comentários desativados em Memória da dança: importância, registro, preservação e legado

A dança é uma arte efêmera, no momento em que ela se realiza ela também se desfaz, ficando presente somente na memória de quem a presenciou. Este trabalho se objetiva a pesquisar como e por que é importante preservar a memória e a história da dança, detalhando suas formas existentes de registro, mapeando os seus acervos, refletindo sobre como se estabelece a transmissão de seu conhecimento para as gerações futuras e considerando o corpo do bailarino como o principal lugar de memória desta arte.

A pinhole como meio expressivo: um estudo sobre significâncias da corporeidade em fotografia

A pinhole como meio expressivo: um estudo sobre significâncias da corporeidade em fotografia

Comentários desativados em A pinhole como meio expressivo: um estudo sobre significâncias da corporeidade em fotografia

A relação do corpo artista em fotografia pinhole é o objeto do estudo. Esse corpo se faz presente de forma física e mental nos processos artísticos elaborados e desenvolvidos pelos artistas, que tomam para si a técnica pinhole para trabalhos de arte que mesclam o conceito à sua artesanalidade. O artista confecciona a câmera com suas próprias mãos, e, para isso, realiza inúmeras escolhas e ressignifica objetos diversos. O conceito da obra acontece por meio da ideia que se traduz em gesto propulsor para a realização do processo artístico. A câmera como um organismo se torna parte do corpo artista sendo parte não dissociável da obra. A fotografia e câmera pinholes possuem características que jogam com a multiplicidade e o acaso como dados a serem observados e discutidos nos trabalhos dos artistas apresentados no decorrer do texto. Os artistas quando se utilizam de processos com a pinhole na arte contemporânea, podem ser inseridos no pensar do pós-modernismo, por ela ser uma técnica que – trazida de outro tempo – se transforma, re-configura e origina poéticas sem fim.