É som de preto, de favelado e caso de polícia: a criminalização do Funk e sua correlação com o poder público e a mídia.

É som de preto, de favelado e caso de polícia: a criminalização do Funk e sua correlação com o poder público e a mídia.

Comentários desativados em É som de preto, de favelado e caso de polícia: a criminalização do Funk e sua correlação com o poder público e a mídia.

O funk carioca, desde a década de 90, sofre em vários momentos uma forte campanha de
criminalização por parte da mídia, do Estado e de alguns setores da sociedade, e vem sendo
tratado como um problema de segurança pública e não como uma manifestação cultural digna
de livre expressão. Este trabalho objetiva abordar como se deu as diferentes formas de
criminalização do funk carioca a partir nos anos 90 até os dias atuais, com base nas ações do
poder público e da grande mídia apresentando as consequências oriundas da conduta destes
agentes no próprio movimento funk. Em virtude desta marginalização este gênero musical a
todo o momento teve que procurar meios para se defender e permanecer atuante no cenário
cultural. E principalmente esta criminalização do funk, acaba interferindo no pleno exercício
dos direitos culturais desta manifestação, uma vez que algumas ações por parte do Estado
coíbem e dificultam a realização dos bailes em determinados locais e, ainda, tornam crime
uma das vertentes do funk, os chamados “proibidões”, acarretando até em prisões de MCs. E
mesmo depois de ser considerado Patrimônio Cultural Imaterial do Rio de Janeiro, o funk
ainda não é discutido como um caso de cultura, mas sim como um caso de polícia.