PEDRA DO SAL: O resgate da memória africana em um dos berços do samba

PEDRA DO SAL: O resgate da memória africana em um dos berços do samba

Comentários desativados em PEDRA DO SAL: O resgate da memória africana em um dos berços do samba

As manifestações culturais de matriz africana, como o samba, vêm sendo
atualmente cada vez mais inseridas na cidade por meio de um intenso movimento de
resgate da cultura popular, como as rodas de samba que acontecem na Pedra do
Sal, que retomam um lugar da cidade tradicionalmente negro e vinculado ao samba.
É inegável, contudo, que as manifestações da cultura negra sejam um reflexo dos
gostos nos dias de hoje. A aproximação entre essa região que historicamente é
negra e afrobrasileira e seus admiradores é notório. É a partir do resgate do
passado, do antigo através da busca por compositores de gerações anteriores que
novos músicos recriam gêneros musicais tradicionais. Através de práticas,
representações, expressões artísticas e da profissionalização constroem as suas
identidades de sambistas. Os consumidores criam um espaço para interação,
sociabilidade e mantém relações sociais. Esse público consumidor recria a figura de
um novo malandro através da manutenção de alguns itens tradicionais na
vestimenta desse personagem e também pela troca e acréscimo de outros. Os
consumidores das rodas de samba da Pedra do Sal criam uma identidade coletiva
por possuírem algumas práticas e valores em comum.

Produção Cinematográfica Brasileira: Antagonismos e aproximações entre os modelos de produção tradicional e informal

Produção Cinematográfica Brasileira: Antagonismos e aproximações entre os modelos de produção tradicional e informal

Comentários desativados em Produção Cinematográfica Brasileira: Antagonismos e aproximações entre os modelos de produção tradicional e informal

A produção cinematográfica brasileira possui oposições entre os dois modos principais de realização de um filme. Podemos classificar o primeiro como modelo independente de produção – no qual o autor é o protagonista em oposição ao modelo tradicional de produção cinematográfica, voltada para o mercado – no qual o produtor é quem toma as rédeas do filme. O curta-metragem Di-Cavalcanti é uma produção de 1977, dirigido por Glauber Rocha, exemplo das inovações da produção independente de filmes no Brasil na segunda metade do século.O estudo de caso do curta-metragem proposto
nesse trabalho perpassa a análise do filme Di-Cavalcanti e submerge em um tema mais amplo que é a produção cinematográfica brasileira, tanto o modelo tradicional da Cinédia, Atlântida e Vera Cruz quanto o modelo utilizado pelo movimento cinemanovista brasileiro.