Teatro Infantil – História, Reflexões e Caminhos

Teatro Infantil – História, Reflexões e Caminhos

Comentários desativados em Teatro Infantil – História, Reflexões e Caminhos

Este trabalho apresenta um panorama histórico do teatro infantil no Brasil e no mundo e aponta reflexões pertinentes ao teatro infantil como obra de arte e como produto cultural inserido na sociedade brasileira. Para a realização do estudo utilizou-se o método de revisão e compilação bibliográfica, somado à análise do cenário atual do teatro infantil, principalmente no eixo Rio-Niterói.

Projeto de realização do espetáculo “A Santa Joana dos Matadouros”

Projeto de realização do espetáculo “A Santa Joana dos Matadouros”

Comentários desativados em Projeto de realização do espetáculo “A Santa Joana dos Matadouros”

O presente trabalho apresenta o projeto de realização do espetáculo A Santa Joana dos Matadouros, de Bertolt Brecht, com direção de Marina Vianna. O dossiê que precede o projeto visa fundamentar e discutir a linha de encenação proposta pela diretora, que pretende transcender as paredes do Edifício Teatral tradicional e criar uma nova relação espectador-espetáculo. No projeto de montagem em si são expostas as estratégias para viabilizar a realização de todas as etapas do processo da produção espetáculo.

Z.É. – Zenas Emprovisadas. Reflexões sobre teatro, obra aberta e humor

Z.É. – Zenas Emprovisadas. Reflexões sobre teatro, obra aberta e humor

Comentários desativados em Z.É. – Zenas Emprovisadas. Reflexões sobre teatro, obra aberta e humor

Artistas, produtores, gestores culturais: seja qual for seu vínculo com o objeto artístico-cultural, a intenção é difundir a obra e colocá-la em contato com seu “destinatário”, em usufruto pelo público, espectador, usuário, visitante (ou qualquer que seja a pessoa que está “do outro lado” para recebê-la). O desfrute de determinada obra, a apropriação desta por parte do público, pode ser estimulado de diversas formas. No caso da peça “Z.É. – Zenas Emprovisadas”, objeto de análise deste estudo, inclui-se o fato das pessoas participarem diretamente de sua concretização e da peça abordar, através do humor, situações sugeridas e (muitas vezes) vivenciadas por elas. A hipótese é a de que o êxito do fenômeno “Z.É.” se insere numa conjuntura de maior vínculo entre obra e fruidor, relacionada com as transformações na forma de experimentar tempo e espaço, caracterizada pela velocidade e instantaneidade. A metodologia utilizada foi uma reflexão teórica, perpassando questões como: a interação entre obra e público na contemporaneidade; o teatro como a arte da relação; a improvisação teatral; o humor como meio de pensar a vida cotidiana; e também como se estrutura o espetáculo e como se realiza em termos de produção.